• Daniel Garnet e Jotace Rhazec na Liga Nocaute
  • Pearls Negras
  • Slim Rimografia no Projeto Studio62
  • Jay Z
  • Família de Rua na Estrada
  • Racionais no Carioca Club, em São Paulo
  • TerçaInsana, do Marcão Baixada
  • Mano Brown

Da Estação São Bento ao Metrô Santa Cruz – Rappin’ Hood (part. Emicida)

É bom ver a nova e a não tão nova geração do RAP tão próximas. Compondo seu novo cd, “Sujeito Homem 3“, Rappin’ Hood se juntou ao rapper Emicida para destacar momentos do movimento na cidade de São Paulo. O beat é do falecido, mas nunca esquecido, DJ Primo.

Se precisássemos escolher um rapper da nova e outro da velha geração do RAP para contar a história do movimento em São Paulo, seria uma escolha difícil. Mas, com certeza, Emicida e Rappin’ Hood estariam disputando no topo da lista. Em “Da Estação São Bento ao Metrô Santa Cruz“, entre citações de festas e grupos que marcaram, os dois descrevem com muita qualidade e propriedade um pouco da história do RAP na cidade e, por que não, no Brasil.

Rappin' Hood grava com Emicida

A verdade é que os caras escolheram o melhor título possível pra música pra marcar a história e a conexão do antes e agora. Pra quem é recém-chegado na cultura, vale lembrar que a Estação São Bento ficou bastante conhecida na década de 80 pela dança de rua. E, nos dias atuais, o Metrô Santa Cruz é bastante conhecido por “hospedar” uma das batalhas de MCs mais famosas do Brasil: a Batalha da Santa Cruz. Se eles queriam marcar essa cronologia, o tal “de lá pra cá”, conseguiram e bem feito!

Além da qualidade já bastante conferida tanto ao Rappin’ Hood quanto ao Emicida, a música ainda conta com a abertura por Juju Denden, que cita o festival pelos 300 anos de Zumbi, e o beat de DJ Primo, que não precisa nem falar o quanto representa para a nossa música. Linda história e muito bem contada. Tá aí outro cd muito aguardado para 2012!

Abaixo cê confere a letra da música:

Da Estacao Sao Bento Ao Metro Santa Cruz by RAPPIN HOOD

Letra: (Com ajuda de David Brian. Qualquer correção, comentem!)

[Emicida]


Os boy nos motor de arranque na estrada
E os preto fazendo de palanque as calçada
Pizza, Marathon e listra
É o RAP gravado numa pista
Nóiz na fita cassete, morô?
Batendo nos latão e demorô
As rima na palma da mão
Sem câmera ou flash, só ação (Uou Uou Uou)
Satisfação!
Ai, rodando nos PC, mano
“A rua é nóiz” tem mais de 20 anos, procura saber
E a multidão seca, trepa no portão
Se pá mema emoção, checa, vem do coração
Viu? Dos 80, em vinil, quantos plays até o ano 2000?
Ei, Zulus, ainda somos reis
Frutos e raiz truta, putos, os infeliz surta
Eu luto, os MC luta por tua matriz, escuta
Meu amigo escuta essa
Não tem como seguir se você não sabe onde começa
É natural, jão, no buzão e tal
5 rachando um dog e um refri no terminal
E a fé pra continuar, saber chegar
Licença aqui que é meu lugar
Favela pra vida, do baú do Hood até o HD do Emicida
Lembra Nelson, mó triunfo aqui
Rua pura me traz Racionais Mc’s
Zona Sul, pique Posse Mente Zulu e Pentágono
Thaíde, Dj Hum, fi
Hoje tem Liga dos MC’s, Duelo dos MC’s
Tem Rinha dos Mcs, Santa Cruz
E eu me sinto grato e feliz por ter a diretriz
Sabe? É como se diz, mó luz
Valeu memo, tio!

Da Estação Sao Bento Ao Metrô Santa Cruz
(A rua é nóiz, brother)
dos mlk aos tiozinhos o hip hop é luz
(Autoestima que nos leva ao poder)
(x2)

[Rappin' Hood]


Ainda me lembro da primeira vez
Real Dancers, Cambuci, 1983
Tempo do break, do Electric Bug
Do filme “Breakdance”, também o “Beat Street”
Bons tempos, começava assim o movimento
Nas festas, na saidinha da ponte, eu me lembro
Relembro quando trombo o Aladim
O Vagnão, O Mazim, o Sudus e o Flavim
Recebi uma carta do quadrado
Se pá ano que vem ta na rua com os aliado, vai vendo
Naquele tempo era diferente
De rolê pelas festinhas de garagem chapa quente
Daquele jeito, sempre no respeito
Só no sapatinho pra permanecer sujeito
Tempo passou, muita coisa mudou
E desde os tempos de *, a gente nem se falou
Somebody Love, Projeto Radial
E o clube da cidade diz que tá mil grau
Era mó barato o baile da Chic Show
No ASA de Pinheiros, domingueira eu vou, demorou
Se pá mais tarde estico pro Neon
Lá o DJ Mister é quem comanda o som
Às vezes * Club House
No baile da Kascatas, que era o grau
Não colava playba, ia só quem é
No Viola de Oro, era Zimbabwe
O Charme Dance era da Black Mad
Circuit Power, Black News e Dinamite
Minhas lembranças, pra sempre estão guardadas
E todos os momentos dessa longa caminhada
Pois nesse tempo, não tinha investimento
E os moleque corriam da PM na São Bento, véio
Deixa o funk tocar, o som não pode parar
O baile é de função, quero ver o DJ riscar
Pois toda quarta tem Santana Samba, tem
É SP DJs, só quem é bamba vem

Da Estação Sao Bento Ao Metrô Santa Cruz
(A rua é nóiz, brother)
dos mlk aos tiozinhos o hip hop é luz
(Autoestima que nos leva ao poder)